terça-feira, 22 de outubro de 2019

De Belém para o Mundo, com muitas dúvidas existenciais...

Por vezes dou comigo, ainda que passados tantos anos, a pensar se, os turistas não percebem mesmo nada de transportes ou se querem fazer de nós uns parvos no canto da Europa plantados. Assisto diariamente a situações e comportamentos que, nunca em alguma parte eu teria, por muitas dificuldades que tivesse quer de orientação quer pela língua nativa. Sabemos igualmente que temos de dar um ligeiro desconto no que à informação diz respeito, porque conhecendo o que se faz lá por fora, ainda temos muito de rectificar, contudo não é desculpa. 

Sobretudo quando nos esforçamos para de uma forma simpática lhes explicar como funcionam e como têm, de se deslocar para atingir o seu destino, nomeadamente na língua deles ou em grande parte na língua inglesa, o que poucos tentariam se fossemos nós lá por fora. Mas o português tem este hábito de saber receber e de querer ser simpático para com quem nos visita, mas o problema é quando os turistas nos esgotam os créditos que temos de paciência. 

Não consigo assim entender o porquê de não terem em conta o destino na bandeira do veículo, pois olham apenas para o número. Já por diversas vezes visitei países estrangeiros e neste campo, todos funcionam quase da mesma forma, ou seja, um número e vários destinos, salvo as carreiras circulares.

Não consigo igualmente entender o porquê de quando dizemos, "terminal" ou "final stop", permanecerem sentados e por vezes a rirem-se de nós, como que se estivessem na esperança que tudo não passava de uma pequena brincadeira do tripulante que decidiu desligar o motor do autocarro e dizer que era o fim da viagem.

Não consigo também entender o porquê de quererem comprar um bilhete a bordo (2€ no autocarro, 3€ no eléctrico) que na ideia deles, daria para toda a sua estadia em Lisboa, como que se os transportes públicos estivessem em saldos. 

Mas nos últimos dias, custa-me ainda mais o turista que entra, pergunta se passo pela Torre de Belém, ao qual digo que sim, sendo que tem de sair na segunda paragem.  E ele segue até Algés como que se todas as paragens efectuadas fossem apenas para entrar ar porque estava muito calor no interior do autocarro. Ou quando me apercebo que são mais idosos e chegados ao Largo da Princesa, aviso que é a paragem para a Torre de Belém, e ficam na dúvida a olhar para o motorista, ainda a perguntar se tenho a certeza. Mas querem fazer mesmo de nós, uns malucos?

Ora malucos, só podem ser mesmo aqueles que no sentido para Belém, entram no Largo da Princesa e após explicarmos que em Belém tem de mudar para um eléctrico, que continua a viagem para o centro, devido às obras (tudo isto na língua deles), chegam a Belém, saem do autocarro e em vez de irem para a paragem do eléctrico, conforme indicada, ficam na paragem do autocarro e mais grave... voltam a entrar no autocarro onde vieram e regressam para o Largo da Princesa, ainda que tenham já passado por duas paragens, sem perceberem que estão a fazer o mesmo trajecto no sentido oposto... 

Portanto tem sido assim estes últimos dias, numa carreira 15E perto de si, com muita pergunta e muito turismo afoito pelas ruas de Belém... e com muitas dúvidas existenciais. Para quem não tem dúvidas, ficam os votos de uma boa viagem a bordo dos veículos da CCFL.


terça-feira, 8 de outubro de 2019

[Off Topic]: SpongeTram evocando os 20 anos do SpongeBob

Foto de Tânia Santos
Surgiram em Lisboa em 1901 e longe estariam por essa altura de pensar, que a sua importância não se restringia apenas naquela época, nem tão pouco pensavam na procura que viriam a ter passado mais de um século. Os eléctricos em Lisboa, tornaram-se uma verdadeira atracção turística aliada a um meio de transporte acarinhado por grande parte dos portugueses, nomeadamente pelos lisboetas no que ao eléctrico da Carris diz respeito. 

Ao longo do ano é procurado por habitantes locais, dos mais novos aos mais velhos. É procurado por turistas que chegam de todas as partes do mundo e que não querem partir sem viajar a bordo da casinha amarela que é também ela um postal vivo da cidade. Tiram-se fotografias, selfies, fazem-se vídeos e acima de tudo percorre-se a cidade através dos carris sinuosos da nossa cidade das sete colinas. Não admira portanto que eles sejam também procurado pelas marcas que pretendem chegar a todo o público.

Marcas essas que chegam a ter lugar cativo como por exemplo o eléctrico da Coca-Cola, há alguns anos afecto ao veículo 502 ou o Leite Vigor associado ao 544, entre outros. Agora é a vez da Nickelodeon usar o eléctrico como meio de comunicação, para celebrar os 20 anos de existência do SpongeBob SquarePants que surgiu nos ecrãs no dia 17 de julho de 1999 e tem reinado como a série de animação infantil televisiva número um dos últimos 17 anos. 

Agora ao amarelo do eléctrico, juntam-se uns olhos e umas bochechas que com o formato arredondado do eléctrico formam um sorriso quase por instinto.

Assim, o eléctrico 551 Assinala o aniversário da famosa esponja, tão amarela como os eléctricos da capital, e se uma viagem de eléctrico já é por si só uma animação, agora torna-se ainda mais divertida. Na sua página no YouTube, o Nickelodeon mostra-nos como foi o lançamento desta campanha...


domingo, 22 de setembro de 2019

A História saiu à rua!

Lisboa parou neste Domingo, para ver a história passar e recuar no tempo. O museu da Carris que assinala o seu 20º. Aniversário associou-se aos 147 anos da Carris e promoveu o desfile de Clássicos do Museu, onde eléctricos e autocarros de outros tempos voltaram a deslizar sobre os carris de Lisboa e a cruzar as estradas da capital. Ao tradicional desfile de eléctricos que o ano passado foi um sucesso, juntaram-se os autocarros 301 e 1001, um verde e outro laranja. As memórias de quem noutro tempo neles se transportava veio de imediato à conversa entre os visitantes e passageiros deste desfile que contou com duas partidas, uma pela manhã e outra já da parte da tarde. 

Esta foi também a primeira oportunidade que enquanto tripulante da Carris, tive de participar neste evento onde levamos para fora de portas um pouco da história, divertindo-me ao conduzir as relíquias que compõem o espólio do museu, e sobretudo divertindo quem neles se transporta ou com quem com eles se cruzam. Inúmeros sorrisos, acenos, fotografias e conversas trocadas num dia recheado de momentos que mais tarde serão certamente recordados. 

Dos mais pequenos aos mais graúdos, foi um passar de testemunho deste gosto pelos transportes como aconteceu noutros tempos em que os pais de hoje eram os filhos de então. São gerações que viajam a bordo e que bonito é ver todos juntos a comentar e partilhar de algo que pelo menos por um dia é de ambos. Entre os passageiros encontrei quem durante 35 anos vestiu a farda da Carris na estação das Amoreiras (então extinta) e que com tanto orgulho e gosto contou de sorriso no rosto inúmeras histórias. 

Calhou-me tripular o número 1, que é o ex-437 que habitualmente faz a ligação entre o núcleo 1 e 2 do museu, um carro de 1901 que em 1965 foi restaurado e adaptado ao serviço de turismo, apresentando assim essa roupagem engalanada para quem na altura visitava Lisboa a bordo do eléctrico de turismo da Carris. 

Hoje tive então a honra de fazer parte da equipa e por isso as fotos deixei-as para os entusiastas que apareceram em peso neste desfile, e por isso apenas serão estas as fotos que posso partilhar. Agradecer por fim o carinho demonstrado e pedir desculpas por nem sempre dar a atenção merecida a todos os que me procuram na altura onde a concentração exige alguma atenção nos carris. Espero que todos tenham gostado do desfile. Um abraço do tripulante que termina desejando-vos uma boa viagem a bordo dos veículos da CCFL. 

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Parabéns Carris: 147 anos a mexer com Lisboa

A Carris completa hoje mais um ano de vida. São já 147 anos desde o dia em que foi fundada no Brasil, a 18 de Setembro de 1872. Desde então muito mudou. Se inicialmente os serviços de transportes começaram por carros puxados por animais, os "americanos"; vieram mais tarde os eléctricos a 31 de Agosto de 1901 e seguiram-se depois os autocarros nos anos 40 adquiridos para serviço à Exposição Mundial que se realizou em Belém. Ao longo dos anos, construíram-se novas estações, e apostou-se fortemente na renovação da frota o que fez com que a Carris tivesse obtido a certificação em 2006. 

Até ao ano de 2011 a Carris vinha então, continuando a apostar na melhoria do serviço, com a vinda de novos autocarros, mas esquecendo um pouco a aposta nos eléctricos. Contudo, a empresa passou nos últimos anos por vários processos de reestruturação e actualmente a gestão da Carris está a cargo da Câmara Municipal de Lisboa, que tem vindo a apostar no modo eléctrico, e reflexo disso, foi o regresso do 24E há 2 anos atrás, linha esta que estava há 23 anos suspensa. Nos planos próximos estão o prolongamento da 24E ao Cais do Sodré, mas antes ainda o 15E deve chegar à Cruz Quebrada.

No último ano a Carris colocou em serviço novos autocarros movidos a Gás Natural, ajudando assim à melhoria do ambiente da cidade e lançou o concurso público internacional para a compra de novos eléctricos articulados para a carreira 15E. E se já andam pela cidade os autocarros a "todo o gás", também os autocarros eléctricos entrarão ao serviço até ao final do ano, reforçando assim a oferta e a frota de autocarros. Este ano marca também a chegada de novos tripulantes, dando um ar mais jovem a uma empresa que não pode esquecer nunca o seu passado quando se completam 147 anos repletos de história. 

E por falar em história, é já no próximo dia 22 de Setembro ás 11h30 e 14h30 que a história sai para as ruas, com o desfile de clássicos do Museu da Carris, que decorre entre Santo Amaro e a Praça da Figueira com viagem de regresso, no desfile que conta com seis eléctricos e dois autocarros, que desta forma assinalam igualmente os 20 anos do Museu da Carris. 


Parabéns Carris!

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Setembro é mês de regressos e de comemorações

Acabaram-se as férias e está também prestes a acabar a primeira semana de trabalho após essa interrupção que sabe sempre a pouco. Com um regresso marcado pelo transbordo na carreira 15E devido a obras em Belém, hoje foi dia de voltar ao 28E sempre ele muito concorrido com o turismo que chega por ar, mar e terra. Com os termómetros a registarem temperaturas acima dos 30 graus, há mesmo assim, aqueles que gostam de viajar tipo sardinha em lata entre suores e cheiros que acabam por inundar o interior do eléctrico, o que nem sempre é agradável para quem é mais sensível aos cheiros, como é o meu caso. 

No entanto a cidade parece regressar de férias a meio gás e o mais certo é que a partir de segunda-feira tudo volta à normalidade em pleno. Quem também já voltou de férias, foi o eléctrico 18E. Setembro marca também o regresso das comemorações do aniversário da Carris que se celebra a 18 de Setembro. Este ano as comemorações dos 147 anos da Companhia Carris de Ferro de Lisboa, contam também com o aniversário do Museu da Carris que comemora 20 anos de vida. 

Assim, no próximo dia 22 de Setembro, a Carris coloca nas ruas de Lisboa um pouco da sua história, com o desfile de clássicos do museu, num trajecto entre Santo Amaro e a Praça da Figueira com ida e volta e partidas às 11h30 e 14h30. Não perca portanto, a oportunidade de participar neste desfile, fazendo uma autêntica viagem no tempo. Mais informações no site do museu da carris.

Boas viagens e boas recordações! 

terça-feira, 13 de agosto de 2019

E eis que finalmente... chegaram as férias!

As últimas semanas pareceram quase um século. É assim sempre que se aproximam as tão desejadas férias. E mais desejadas este ano devido ao cansaço acumulado pelo trabalho no meio do trânsito cada vez mais caótico e sem regras da capital, por muito esforço que se faça em prol da mobilidade. A última semana - aquela que agora termina - foi das piores, muito por culpa do transbordo da 15E, ou melhor, dos passageiros que apesar de toda a informação disponibilizada, gostam sempre de questionar e até pedir justificações ao motorista, como se fosse ele o principal elemento da decisão destes constrangimentos que obrigam a alterações na rede. 

Assim, a juntar-se às trotinetes, às bicicletas, aos tvde's e sei lá mais o quê, tivemos então a alteração na 15E ao qual adicionamos uns "avec's" , tornando assim a receita perfeita para correr para fora desta cidade. E por falar em correr e numas semanas que pareceram um século, a foto escolhida para assinalar as tão desejadas férias é precisamente uma foto do jornal "O Século" que retrata o guarda-freio a correr do eléctrico para fora. 

É precisamente isso que acabo de fazer, hoje não do eléctrico, mas do autocarro e com grande satisfação, porque reconheço que estava já no meu limite, porque o ano foi exigente. Chegaram assim, finalmente as férias e como tal este Blogue entra também ele num período de descanso, regressando à rede para mais viagens e aventuras em Setembro, o mês em que a Carris irá celebrar os seus 147 anos de vida. Resta-me então uma vez mais agradecer a todos os que continuam a seguir nesta viagem e desejar umas boas férias, se for o caso, ou um bom regresso ao trabalho e boas viagens a bordo dos veículos da CCFL

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Diário do Tripulante... "No AR" à boleia da Rádio Observador

Esta tarde troquei as manivelas do eléctrico pelos microfones da Rádio Observador. O convite surgiu para uma pequena conversa em fim de tarde sobre o que tem trazido de novo o Diário do Tripulante, como surgiu e todos os projectos editoriais envolventes. Recebido por uma equipa simpática, dei entrada nos estúdios a tempo de acompanhar a síntese de notícias das 19h30 e viajar um pouco pela magia da rádio. 

As conversas são como as cerejas e correm a uma velocidade que nem damos pelo tempo passar, sobretudo quando falamos do que gostamos e quando partilhamos vivências. E assim foi esta tarde. Falei sobre a criação do blogue, o meu passado profissional e a paixão pelo Benfica muito por ter sido um dos fundadores da maior comunidade de adeptos online, o serbenfiquista.com . Mas houve ainda tempo para explicar de forma suscita como é a condução do eléctrico, respondendo à curiosidade de quem dá voz a esta rádio.

Se não ouviu em 98.7 FM, pode sempre ouvir o podcast já disponível no site da rádio Observador ou aqui mesmo clicando na imagem ou no link. 

Resultado de imagem para Conversas de fim de tarde

domingo, 4 de agosto de 2019

[Off Topic] : Informação ao cliente - Alteração provisória carreira 15E

A partir desta seguda-feira, 5 de Agosto de 2019 e por um período de 75 dias, a carreira 15E funcionará em modo eléctrico e autocarro, com transbordo em Belém, por motivo de obras de requalificação a decorrerem na Rua Bartolomeu Dias. Assim sendo, a carreira 15E funcionará entre Praça da Figueira e Belém com eléctricos e entre Belém e Algés com autocarros, sendo este segundo trajecto desviado entre o CCB e o Largo da Princesa, via Avenida da Índia. É permitido o transbordo tarifário entre os dois modos operacionais da carreira. Também as carreiras 729 e 79B vêm os seus percursos alterados conforme informa a carris através do seu site oficial.

O Diário do Tripulante, sugere assim a consulta atempada das alterações decorrentes das obras de repavimentação a decorrerem, para evitar alguns contratempos na sua deslocação. A Carris informa igualmente através de um esquema as paragens suprimidas e as paragens provisórias para as carreiras supra mencionadas. Para mais informações deverá ser consultado o site da Carris em www.carris.pt  

Mapa: Carris.pt

Translate