quinta-feira, 22 de junho de 2017

Um eléctrico chamado "Arraiolos"...

Podia ser um eléctrico chamado desejo, mas este é diferente e já é conhecido como o eléctrico de Arraiolos. Ora se o eléctrico não vai ao Alentejo, vem o Alentejo ao eléctrico de Lisboa. A ideia surgiu há cerca de dois anos, quando numa das minhas várias deslocações à simpática vila de Arraiolos, desafiei a artesã Maria Hortense Canelas a decorar um eléctrico em Lisboa, até porque já tínhamos na altura, dois forrados a cortiça. Nessa mesma altura Hortense tinha vindo do Vaticano onde tinha entregue um tapete ao Papa Francisco. 

Sempre pronta a novos desafios, Hortense de imediato me deu luz verde para tratar dos contactos e de se avançar com o projecto, mas não era assim tão fácil, até que só um ano depois tive resposta. Mas como quem espera sempre alcança, assim que me questionaram por parte da Carristur se a ideia se mantinha de pé, a resposta foi obviamente que sim. Sobretudo porque este projecto seria fundamental no apoio aos artesãos que há tantos anos lutam pela certificação desta arte secular que é, a confecção dos tapetes de Arraiolos. 

Do mail, passámos à primeira reunião, onde dei a conhecer as partes e daí partimos para a apresentação de um projecto estudado e elaborado por forma a ser apresentado à administração. Peguei na máquina fotográfica, fui fotografar o eléctrico e estudar os locais onde poderiam ser aplicados os tapetes, sempre com o conhecimento e experiência da Hortense envolvidos no diálogo porque para Hortense não há impossíveis. Depois seguiu-se a fotografia aos tapetes. Juntei as peças e foi feita uma maqueta. O Turismo do Alentejo associa-se a esta ideia e apresenta-se então à Carristur um projecto final, que de imediato foi do agrado de todos. 

Seguiram-se meses de trabalho. As bordadeiras pegaram na agulha para começar a bordar o que seria o forro do tecto, baseado numa réplica do tapete oferecido ao Papa, enquanto que o desenhador tratava do desenho exterior. O carpinteiro ia preparado as madeiras onde iam ser aplicados os tapetes e a certa altura já havia cortinas e tapetes para os bancos. Ponto por ponto, os tapetes foram ganhando forma e dando um colorido diferente ao eléctrico 744 afecto ao serviço Tram Tour. Horas e horas de trabalho de todas as partes envolvidas, que deram lugar ao resultado verificado esta manhã no Largo da Graça, onde foi inaugurado.

Com a presença da Direcção da Carris e Carristur, do Turismo do Alentejo, da Presidente de Junta de São Vicente e da artesã Hortense, o Eléctrico foi o centro das atenções com quem todos quiseram tirar uma fotografia ou uma selfie. Enaltecido todo o trabalho e importância deste projecto como incentivo à certificação do Tapete de Arraiolos, enquanto as bordadeiras iam bordando tapetes para dar a conhecer aos presentes a técnica desta arte, lá partimos viagem até ao Largo Camões. 

Um dia inesquecível para mim que depois de todo o envolvimento neste projecto, me foi dada a oportunidade de ser eu a conduzi-lo na estreia, transportando assim os convidados naquele que é agora o eléctrico mais charmoso de Lisboa. Após o evento o eléctrico iniciou serviço de turismo, causando surpresa e admiração por parte dos turistas presentes em Lisboa e que tiveram a honra de poder viajar ao longo do trajecto verde da YellowBus. 

Não podia portanto deixar de agradecer à Hortense e à Carristur por terem levado a bom porto esta ideia que um dia tive em Arraiolos, vila que sugiro uma visita e que a partir de hoje terá também um eléctrico sempre presente na sua memória. Convido-vos agora a verem um video que produzi, e que mostra todo o trabalho de montagem deste projecto Electric'rug. Boas viagens!

3 comentários:

CR 35 disse...

BRUTAL, LINDO acho que devia ser preservado por muitos anos e não por alguns meses.

Anónimo disse...

E porque nao fazer isso com todos os outros electricos? Seria uma bonita atencao para todos os portugueses que usam este transporte!

José Carlos Igreja disse...

Excelente trabalho.

Translate