quarta-feira, 5 de outubro de 2016

[Off Topic]: Um sonho chamado "123" tornado realidade em Portugal

Esta paixão pelo que faço, mas sobretudo o facto de trabalhar na Carris, levou a que ao longo destes quase 10 anos, tenha conhecido muitos dos entusiastas que, ora de forma mais virtual, ora de forma mais física e presencial vão partilhando histórias e vivências do quotidiano e história desta empresa com 143 anos de existência. Partilham-se fotografias antigas, discutem-se rotas, fala-se de modelos, sons, cores, números, destinos, enfim, uma série de factos que juntos, ajudam a contar essa história. Sabemos portanto que há diversos veículos, entre autocarros e eléctricos que outrora percorreram as ruas de Lisboa ao serviço da CCFL, mas que agora fora de serviço, estão espalhados pelo país ou até mesmo pelo estrangeiro. Uns mais bem preservados que outros, mas todos com uma história.

CCFL 123 ainda em serviço público
Já por diversas vezes aqui falei e elogiei o esforço e dedicação do Paulo Marques que tem uma colecção pessoal de eléctricos, devidamente guardados e preservados, tendo alguns ainda em vista a sua preservação e restauro. Mas recentemente outro entusiasta, o Pedro Mendes decidiu entrar a bordo desta viagem pelo mundo dos clássicos e sua preservação, assim como da própria história dos entusiastas da Carris. Agora a aventura foi trazer novamente para solo português o autocarro 123 que muitas vezes subiu ao Castelo pelas ruas apertadas daquele pitoresco bairro lisboeta e que estava em terras inglesas.

E foi com algum agrado e surpresa que ontem recebi um telefonema do Pedro Mendes para estar no Carregado para assistir à chegada do 123. Ora estando de folga sem planos, não poderia rejeitar esta oportunidade de viajar na história e entrar num autocarro que saiu do serviço quando eu tinha apenas 4 anos de vida. Este AEC Mark III foi desenvolvido durante a 2 ª Guerra Mundial, e teve como inspiração o novo London Transport "RT" de dois andares, sendo concebido para proporcionar um bom desempenho e facilidade de condução. O motor de 9,6 litros era o mais potente disponível na época e a caixa de velocidades era epicicloidal, operada por ar comprimido.

No entanto estava longe de pensar que o iria conduzir, mas o desafio foi lançado no local e coube-me a mim retirá-lo do reboque que o tinha transportado desde Inglaterra. Foi uma experiência gratificante onde pude comprovar, como era difícil trabalhar naqueles anos, ao serviço da população de Lisboa. Estavam mais que provados os testemunhos ouvidos ao longo das diversas formações que tenho tido na Carris. Levantar o rabo da cadeira para rodar a direcção foi apenas um desses testemunhos. Agora o futuro do 123 está mais risonho, pois está entregue a quem gosta de eléctricos e autocarros, está entregue a quem será capaz de o restaurar, preservar e quem sabe um dia fazer com que volte novamente às ruas de Lisboa.

O regresso ao solo português
Por instantes viajei até aos anos 80, seja pelo trabalhar do motor, seja pelo cheiro característico, seja pelos cartazes publicados no interior do autocarro. Não podia portanto deixar de agradecer publicamente ao Paulo Marques e ao Pedro Mendes por me terem proporcionado esta tarde inesquecível e terem dado a oportunidade que ainda não tive na Carris, ou seja conduzir estas viaturas dignas de museu. Mas não queria igualmente deixar de agradecer ao "chefe" Gama, formador da Carris pela ajuda incansável que deu ao explicar-me via telefone, como trabalhar com aquela caixa de velocidades, pois afinal de contas eu nunca tinha conduzido um autocarro daqueles. Portanto uma aventura que contou com a ajuda de vários amigos e entusiastas, como foi também o caso do Pedro Rodrigues Costa que ajudou a dar o "Start" inicial com o encosto das baterias.

Uma tarde entre amigos com gostos em comum, à qual se juntou ainda o entusiasta Pedro Barreto que não deixou de registar as suas fotos para memória futura deste dia inesquecível. Um bem haja a todos e que tudo corra pelo melhor para que o 123 possa ainda um dia circular e reeditar alguma das carreiras por onde circulou.

Fiquem então com um pequeno vídeo da autoria do Pedro Mendes do momento em que retirei o 123 do reboque...


video

[n.d.r.]: As fotos que acompanham o texto são da autoria de Rafael Santos e de Richar Lomas. O vídeo é da autoria de Pedro Mendes. 

4 comentários:

jose luis covita disse...

Simplesmente fabuloso e comovente. Gostei. Que grandes heróis dos transportes nos tempos que correm. Bonito texto

Zé Carola disse...

Os meus sinceros parabéns por mais esta iniciativa deste entusiasta, que tenha disponibilidade de prosseguir este trabalho tão gratificante para que não se percam estas memórias

LUIS MENEZES disse...

Já me tinha esquecido do barulho....

Porto Santo disse...

Muitas vezes andei nestes fabulosos autocarros pela minha cidade. E é verdade, apercebi-me bem da dificuldade em conduzir estes carros. Excelente iniciativa.

Translate