quinta-feira, 25 de julho de 2013

Depois das férias o regresso à 28E e com muitos emigrantes de volta...

Et Voilá... Acabaram-se as férias de Verão. Acabou-se o acordar tarde porque a cama convida a mais um pouco. Chegou ao fim o período em que andamos quase sempre sem olhar para o relógio. Acabou-se o passeio, enfim tudo o que era bom acabou-se com o regresso de hoje ao trabalho. Óbvio que nos tempos que correm, também é bom voltar ao trabalho, pois é sinal que o temos numa altura em que a taxa de desemprego bate recordes. Hoje cá por casa voltou-se a ouvir o som do despertador, voltou a azáfama matinal e claro voltei a olhar para o relógio porque nada como chegar com calma e tempo à estação porque «de pressa e bem não há quem...»

E nada melhor que um regresso à emblemática e famosa carreira 28E que anda sempre nas bocas do mundo quer por andar sempre cheia de turistas, quer pelo seu percurso emblemático percorrendo as colinas da cidade. O primeiro dia após as férias custa sempre um pouco é certo, mas até encarei este regresso com bons olhos e com vontade, apesar de reconhecer que voltava novamente para férias. Agora a vez é de outros que ainda não tiveram essa oportunidade. Longe das polémicas em torno das águas que abalou este mês de Julho ora na Costa ora na Linha, o certo é que lá fui em direcção ao Martim Moniz já depois de sair de Santo Amaro, cruzando-me com transeuntes que transportavam debaixo do braço a toalha ou o chapéu de sol, e eu a pensar que o sol esse só o iria ver pela janela do eléctrico e lá mais para a tarde, até porque a manhã começou cinzenta. 

Já na 28E e ainda com o desvio devido às obras na R. Angelina Vidal, cores era o que não faltava num eléctrico repleto de turistas onde poucos eram os que falavam a língua de Camões. Mas se há coisas que por muito passem dias e meses e até mesmo anos, não mudam, são as perguntas dos turistas, mas daquelas que têm a resposta em todas as paragens por onde passa o 28, ou seja a paragem do Castelo. E o mesmo acontece com a chegada ao terminal, seja na Estrela ou nos Prazeres quando não querem abandonar o eléctrico. Se os que estão de pé até saem,  outros continuam a desfrutar do assento do eléctrico como se estivessem no areal da praia e como se eu fosse um dos nadadores-salvadores a transmitir-lhes que não podiam ir para a água que eles iriam na mesma. Repito então em várias línguas para que não hajam dúvidas. Final... Finish... Terminus... Capolinea... e eis o momento em que se desatam a rir como se de uma piada se tratasse. 

Mas o regresso ao trabalho não ficaria por aqui, pois para vir estava ainda a pergunta de uma jovem que entrou junto ao Canas com destino ao Martim Moniz e me perguntou como poderia voltar à noite directamente para aquela paragem. Ora terminando o serviço nocturno da carreira 28E na Estrela, o melhor seria então optar pelo 774 que passava na Praça do Comércio, onde a jovem em questão, não se importava até de se deslocar. A grande preocupação era mesmo o autocarro porque eis que ela me pergunta se «esse autocarro é muito perigoso?» 

Lá lhe disse que os autocarros não são perigosos, até porque os tripulantes da carris cumpriam os limites de velocidade. A jovem sorriu e disse que sabia perfeitamente mas queria referir-se a outros perigos. Ora também eu tinha percebido perfeitamente mas como achei graça à pergunta, decidi então deixar a moça mais à vontade dizendo-lhe depois que não havia problema em transportar-se naquela carreira, o que a deixou certamente mais descansada, pois dizia-me também que não estava muito habituada a andar à noite na cidade e estava então explicados os receios demonstrados, num dia em que o cansaço acaba por voltar até porque o corpo já não estava habituado à rotina diária mas sim à rotina das férias que serviram sobretudo para recuperar energias até às próximas que serão lá para Dezembro...

E assim vão as viagens pelo 28E com turistas, clientes habituais e claro está os nossos estimados emigrantes que não perdem a oportunidade de voltar ao país que os viu nascer, para mostrar aos que já nasceram além fronteiras que por cá também há muita coisa bonita de se ver. E esta hein?!... 

2 comentários:

CR 35 disse...

Viva a roda! eu quando ando na net farto-me de ver eléctricos nas principais capitais mundiais ou cidades "grandes" .A minha questão é? mas que tem de especial as casinhas amarelas?

Orquidia do Jardim disse...

Bom regresso ao trabalho Rafael.

Translate