quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Nos bastidores dos eléctricos (II): O carro do fio...



Grande parte dos trabalhos são feitos pela noite, mas as eventuais avarias que podem ocorrer a qualquer momento durante o dia, são prontamente assistidas por estes homens que garantem assim o funcionamento dos eléctricos pelas ruas de Lisboa. São eles os responsáveis pela montagem e manutenção da rede aérea que faz chegar a energia aos pantógrafos e trolleys que estão em constante contacto. De Algés ao centro da cidade e do centro ao topo das colinas, estão centenas de quilómetros de cabo de cobre suspensos nas ruas de Lisboa. Criam uma malha característica através das suas espias, ora mais tradicionais nas linhas 12E e 28E, ora mais modernas nas restantes. 
 
O carro do fio – como é conhecido entre os tripulantes – é a par de outros serviços na Carris, aquele que não pára. Sempre pronto a reparar uma espia partida, a retirar um galho que acabou de cair de uma árvore ou até mesmo a retirar um lençol que acabou de cair do estendal. Eles são também fundamentais quando o trolley salta e a corda se desprende do eléctrico ficando sobre o tejadilho do eléctrico. Faça chuva ou sol, eles estão lá e sem eles não seria possível o bom funcionamento de uma rede aérea que está a seu cargo e que se modernizou no início dos anos 90, quando a Rua dos Fanqueiros começou a receber os novos cabos de tipo flexível, que vieram substituir os de tipo semi-rígido, permitindo assim a partilha entre o trolley de roldana e o pantógrafo semelhante ao utilizado nos comboios.

Além de mais económicos, esta alteração da rede aérea veio permitir maiores velocidades e menores perdas de energia. As principais alterações de cabos, que de tempo a tempo precisam ser renovados, faz-se durante a noite e o tempo para os trabalhos é pouco e tudo tem de ser feito longe da confusão diária do trânsito lisboeta. Um trabalho por vezes esquecido, mas precioso e que o «Diário do Tripulante», não quis deixar cair em esquecimento.

2 comentários:

CR 35 disse...

Sem eles não havia ...energia!

João Paulo Almeida disse...

Olá "Guedes"...Eles não sabem o que é trabalhar na "Carris", mostra a vontade e o profissionalismo ao serviço de uma população.Parabéns "Guedes"...

Saudações...

Translate