terça-feira, 25 de outubro de 2011

Madrugada alucinante na 28E para fechar a semana.

"A caminho do M.Moniz cruzei-me com a 36M - C.Sodré (Via P.Chile)"
4H40 - Segunda-Feira - 24 de Outubro de 2011

O despertador toca, estrategicamente colocado longe da cama para me obrigar a levantar porque na verdade não estou habituado a estes horários, pelos quais tantos colegas "lutam". Serviço de madrugada na carreira 28E. Confesso que normalmente não me custa sair da cama. Custa sim, enfrentar o frio quando saio para a rua quase à mesma hora que o padeiro. É em serviços como o desta segunda-feira que volto a lembrar das noites que trabalhei quando ainda estava atrás das câmaras de televisão ou dos primeiros dias de Carris naquele que foi para mim o ano da grande mudança - 2007.

Mas teorias à parte, o frio até não era muito. Lisboa estava como a roupa, quando sai da máquina de lavar. Molhada e amarrotada, do temporal que derrubou árvores e provocou cheias. Não queria sequer pensar como estariam os carris que iria ter de percorrer nas primeiras horas de trabalho. É sempre assim nas primeiras chuvas. A gordura, as folhas das árvores e a água criam uma espécie de pasta que faz o eléctrico patinar como se de uma pista de gelo se tratasse.

Toca de meter areia no carril para vencer a subida da Calçada da Estrela, ou a Domingos Sequeira. A primeira viagem faz-se como se diz na gíria, a "apalpar terreno" e um pouco com o coração nas mãos, e com pouca gente para poder partilhar esta adrenalina, porque para muitos ainda o despertador não tinha tocado. 

Manhã cedo, longe da confusão, o encontro de irmãos na 28E
Mas se o contra destes serviços é acordar cedo, a seu favor têm o facto das horas passarem mais rápido porque sabe sempre bem ouvir um «Bom dia sr.guarda-freio» e ver o nascer do sol, do Largo das Portas do Sol, com o casario de Alfama a testemunhar tamanha satisfação, ao som do chiar das rodas nos carris. Num instante são quase 8h00. Parece que se abrem portas ao mundo. Vê-se a cada minuto mais pessoas, a caminho do trabalho, da escola, de casa, para onde quer que seja. 

E nessas pessoas lá aparece alguém que nos mostra como estar pronto para uma discussão logo ao amanhecer. O pano de fundo foi a paragem do Chiado com destino aos Prazeres e perante um eléctrico quase vazio, uma senhora não perdoou a sua vez e ao ver uma jovem a alçar a perna para entrar para o eléctrico, dá-lhe um encontrão e diz: «Pxxééé, Pxéééé, calminha que eu já cá estava!!! E a tua colega viu bem que eu já cá estava quando chegaram! Respeitinho é bonito!»

«Olha!!! Que abusada...», responde de imediato a jovem de nacionalidade brasileira e que tinha pela frente mais um dia de escola. Começava então uma discussão acesa que só acalmou graças à ,presença de um agente da Polícia Municipal que se transportava no eléctrico...

«Abusada és tu! Não sei que andas a fazer a na escola. Não tens educação!», argumentava a senhora.
«Cala-te sua velha jarreta!», provocava a jovem.
«Olha que não tás a falar com a tua mãe!», avisava a senhora perante um eléctrico quase todo ele a pensar o mesmo que eu..."Como é possível esta gente ter tanta energia logo a estas horas!"
«Vai.. Vai... Arranjar um homem!», desabafava a jovem, fazendo com que a senhora em questão se levantasse em sua direcção e de dedo indicador apontado lhe perguntasse três vezes: «Quem é que vai arranjar um homem? Quem é? Cuidadinho comigo!!!»

Ânimos mais calmos, até porque afinal a senhora também queria ser a primeira a entrar para sair logo duas paragens após o Chiado, lá se ficou a discussão apenas pelas palavras,  perante a estranheza de um casal turista e um olhar repugnante dos restantes passageiros.

Serão estes, efeitos da crise que o país atravessa e das medidas de austeridade apresentadas?
15H53 - Segunda-Feira - 24 de Outubro de 2011

O dia de trabalho chega finalmente ao fim, e por esta hora custa cada vez mais manter os olhos abertos, mas não adianta dormir porque ainda há coisas a fazer aproveitando o resto da tarde que terminou em C.Ruivo com o início da segunda semana de formação para obtenção do CAP. E tudo isto num dia, que como disse anteriormente, deixou Lisboa amarrotada depois do temporal que se fez sentir durante a noite, chegando a provocar danos num dos poucos eléctricos que resistem, com a queda de uma árvore, como pode ser constatado na reportagem da SIC Notícias:



Agora é desfrutar das folgas, porque o regresso ao trabalho, está agendado para quinta-feira, numa carreira perto de si.

4 comentários:

Joao Baptista disse...

E com a reestruturação da CARRIS prevista isto vai ser menor serviço por maior custo :-(

Xico205 disse...

Boas,
o que estas tretas que a UE nos impingem obrigam...

O TCC fica à borla para o pessoal da Carris não é?

Rafael Santos disse...

Negativo Xico205.

O TCC não é no presente uma ferramenta útil à Carris por não operar nesse meio, logo fui tirar essa formação por minha iniciativa, tendo no entanto escolhido a formação da Carristur.

Abraço.

Xico205 disse...

Ok obrigado. É que tambem vou ter que tirar o TCC, mas primeiro ainda vem o CAM! Só cursos inuteis.

Abraço

Translate