quarta-feira, 7 de julho de 2010

Um dia a bordo de uma relíquia com lamúrias de outros tempos

E se de repente alguém lhe dissesse que as dores na perna esquerda não a deixaram dormir toda a noite, ou que o sr. João que mora na Rua João da Mata trabalhou uma vida inteira, dia e noite para agora que chegou à reforma sofrer tanto.

Iria provavelmente pensar que estaria numa manhã de um dia qualquer na fila do pão na antiga padaria do bairro, ou que aguardava ouvir o seu nome soar pela coluna do intercomunicador do posto médico, mas na verdade nem só nestes locais se ouvem lamentações, queixas e toda uma linguagem de lamuria.

Fique então descansado que não precisa ir ao pão, nem tão pouco ao posto médico para ouvir destas coisas. Basta deslocar-se para o trabalho de transporte público para saber as últimas sobre as doenças que têm afectado os portugueses, desde o inchaço dos pés causado pelo calor, à dor ciática que não tem deixado dormir a dona Odete.

Tem sido assim nos últimos dias com a vaga de calor que invadiu Lisboa. A paciência dos pacientes esgota-se e cabe ao guarda-freio servir de muro das lamentações, ajudando assim ao aliviar da dor, enquanto se desabafa, nem que seja numa distância curta entre duas paragens.

«Amigo, venho aqui com uma dor nesta perna que até me custa subir o carro eléctrico», diz a D.Odete com um ar cansado. O Sr.João com cada vez mais dificuldades em andar pede-me encarecidamente que lhe «dê um jeitinho na curva», porque as pernas já tiveram dias melhores.

Do meio do eléctrico ouve-se o louvor cada vez menos ouvido «a sorte é que ainda há boa gente neste mundo», diz uma senhora que se faz acompanhar do seu leque, com o qual se tenta refrescar.

A tarde passa e o calor abranda, mas nada que faça baixar o inchaço dos pés da D.Rita que comenta com a D.Rosa que até lhe «custa por os pés no chão». A Basílica da Estrela é então o pano de fundo de um cenário que tem o eléctrico da carreira 25E a transportar pessoas que regressam de mais um dia de trabalho, ao som das sete badaladas do sino que indicam as 19 horas.

«Até amanhã Sr.Guarda-Freio e continuação de boas viagens», diz o senhor que veste camisa azul clara com calça azul escura e que me leva a crer que também já foi dos “nossos”, daqueles que ainda hoje gostam e sentem orgulho em vestir aquela farda azul, que outrora
teve mais respeito.

A nove, lá vai o eléctrico rumo aos Prazeres. A cidade está deserta com o aproximar da hora do jantar e só nas esplanadas do Canas se vê gente que ganha coragem para regressar a casa quando a noite parece ser convidativa para ficar ao luar.

«Fim de viagem confirmado», diz a consola que gere as viagens do eléctrico e que está ligada á central de comando de tráfego. Do eléctrico sai o único passageiro que ali aguarda a chegada do 28E. Enquanto os minutos passam e o eléctrico não aparece aproveita para me questionar sobre a idade do eléctrico.

“É da década de 40, mas foi remodelado há uns anos atrás...”. Admirado o senhor, diz-se fascinado com o facto de ser já uma relíquia e que ainda circula, mas não deixa de soltar o desabafo de que «vi logo que tinha de ser muito antigo, porque senti tudo a abanar», ao mesmo tempo que soltava um sorriso.

E é por estas e por outras razões que cada vez gosto mais de trabalhar com estas relíquias que, (infelizmente) nem sempre têm o cuidado e atenção que lhes compete.

1 comentário:

Andre Bravo Ferreira disse...

Continuas-me a surpreender com as histórias: a última sempre melhor que a anterior.

Confesso que quando comecei a ler julguei estar na vila onde cresci e onde toda a gente se conhece mas afinal em plena Cidade ainda há zonas onde isso sucede, felizmente!!

Boas viagens Rafael.

Grande abraço.

Translate