quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Carreira 56: Mas que rica prenda!

E lá diz a gíria popular no que a comparações diz respeito, que «ou é 8 ou é 80» e se há muito que não era escalado na carreira 56, hoje foi a segunda vez esta semana. Primeiro estranha-se, depois entranha-se e quando se chega perto do final do serviço e pensamos que até parece mentira ninguém ter entrado a reclamar com alguma coisa, eis que chego á paragem do Campo Pequeno com destino às Olaias e um passageiro mal mete o pé no interior do autocarro, desabafa logo em jeito de revolta...

«Não temos o direito como passageiros de saber para onde vai o autocarro?», perguntava-me o senhor, pensando eu que já ia uma vez mais, ouvir que a mensagem do "Feliz Natal" poderia aparecer ao lado do número da carreira e não substituindo-o, mas eu estava profundamente enganado. «Os senhores deviam ter a obrigação de informar os passageiros quando o percurso muda!», exclamava. Mas chegava a altura de eu tentar perceber ao que se referia, e lá lhe disse: "Em primeiro lugar BOM DIA!, depois, não consigo entender onde o senhor quer chegar... É que o percurso desta carreira está igual", disse-lhe.

«É que apanhei um autocarro 56 nas Olaias e o seu colega chegou ao Areeiro e virou para a direcção do Aeroporto e eu queria vir para o Campo Pequeno. Sei que a culpa não é sua, mas tenho de reclamar com alguém!», e como o jeito em que falava, não era de todo o mais educado, respirei fundo e já depois de lhe ter explicado que não era certamente comigo que teria de reclamar, informei que o mais provável, era o autocarro em questão, estar a recolher à Musgueira, tendo também nestes casos, o passageiro de ter atenção ao destino que está na bandeira, e a resposta do senhor foi nem mais nem menos que «pronto, mas já vi que vocês têem sempre razão e ainda ficam chateados só porque não lhes digo Bom dia...», e não temos razões para tal? , pergunto eu.

Basta pensar que nas nossas mãos estão os destinos de milhares de pessoas que se cruzam diariamente, e que não é certamente com «apedrejamentos» de falta de respeito que obtêm um excelente serviço prestado porque, por muito que o motorista consiga abstrair-se das situações, gera sempre uma revolta interna. E não me admira que a revista TimeOut na sua edição desta quarta-feira tenha destacado na sua rubrica «Amamos & odiamos» da secção Grande Alface, os condutores de autocarros.

A revista que aborda "tudo o que há para fazer em Lisboa", ama ver «os condutores de autocarro que se cumprimentam na estrada», até porque em grande parte dos dias são mais as vezes que recebemos a saudação e o cumprimento de um colega que se cruza à distância, do que um simples "bom dia" ou "boa tarde" dos milhares de passageiros que transportamos no dia-a-dia. Por estas e por outras razões, irei como até aqui, contribuir para que a TimeOut continue a amar ver os motoristas cumprimentarem-se.

E porque não há uma sem duas, nem duas sem três, referir que iniciou-se hoje a campanha já aqui referida anteriormente apelidada de «Carris Presente», inicialmente dirigida aos tripulantes e que em breve será alargada ao público em geral. Ao recolher, cheguei junto da árvore de Natal da estação da Musgueira e tirei um dos ursos que a decoram e que indicam quais os bens que podem ser dados para quem mais precisa. Lê-se no urso que «todas as ofertas recebidas serão entregues ao Banco de Bens Doados e à Entreajuda, para que quem mais precisa possa sorrir este Natal». Em breve lá deixarei a minha contribuição...


Boas Viagens e Boas Festas!

8 comentários:

Anónimo disse...

Sem contar com as vezes que os motoristas também não dão os bons dias, não é?

Andre Bravo Ferreira disse...

Começaste bem o dia, dá logo para ver mas essa do "(...) ficam chateados só porque não dizemos bom dia(...)", se fosse ao contrário é que queria ver. Caia o Carmo e a Trindade.

Grande abraço.

Rafael Santos disse...

Caro Anónimo,

É como diz o outro... «amor com amor se paga!», Se não lhe costumam responder, pense positivo. É porque alguém anteriormente à sua entrada já chateou o motorista com uma reclamação sem pés nem cabeça, o porque simplesmente já foi ignorado toda a manhã.

Mas se diz assim tantas vezes bom dia ou boa tarde, é de louvar, e não ficava nada mal identificar-se em vez de se esconder no anonimato.

Se é a primeira visita, então seja bem vindo a bordo deste diário.

Cumprimentos,

Rafael Santos

Condutor do TXXI disse...

Boas
De facto, é de salientar que um dos grupos onde há mais camaradagem é entre os motoristas=)

Se há coisa que eu adoro é ver cumprimentos especialmente entre motoristas de casas diferentes. Ainda no outro dia num cruzamento na Alta de Lisboa, só de ver um motorista da rodoviaria que tinha prioridade, parar e ceder passagem ao da Carris, deixou-me feliz. Felizmente nem todos têm aquelas picardias de serem de empresas diferentes.

Mas nota-se que há muito mais camaradagem nos motoristas do longo curso seja em autocarros ou camiões. Um motorista de longo curso pára num café de estrada e encontra outro motorista que nem conhece e começam a falar e tomam o café juntos como se fossem amigos. Isso sim é camaradagem. Já me aconteceu, quando trabalhava em cargas, entrei num café em Fátima e quando dei por mim estava numa conversa animada com um motorista da RBL e outro da Ribatejana. Despedimo-nos com um até qualquer dia noutro sitio qualquer.

Há uma frase que destaco numa musica brasileira sobre motoristas: "Quantos mil colegas na mesma jornada, em cada um deles tenho um irmão da estrada", se não é assim, é parecido. A musica é esta: http://www.youtube.com/watch?v=shljs3-JW9E&feature=related

Cumprimentos, e votos de paciência para aturar os passageiros chatos que são mais que muitos. LOL

alphatocopherol disse...

Rafael, percebo o seu ponto de vista na resposta que deu ao anónimo, mas considere que nem todos os motoristas são iguais.

A verdade é que também nem todas as pessoas são iguais, e como os motoristas são pessoas também eles não são, logicamente, iguais.

Mas a verdade é que noto, e não só na Carris, que os motoristas tendem a ser cada vez mais cordiais! Pena que alguns (muitos) passageiros não o sejam!

Boas viagens

Pedro Pinto disse...

O anónimo era eu, só que ontem não estava a conseguir fazer o login!
Obrigado, Rafael, pelas boas-vindas e pela simpática resposta que me deu.
Naturalmente que é legítimo um motorista estar zangado ou aborrecido com situações anteriores, mas isso é comum a qualquer profissão, razão pela qual deve tentar abstrair-se e saudar os passageiros que também lhes dão os bons dias! Infelzmente, noto que são poucos que agem como eu. Ainda assim, diria que 2 em cada 3 motoristas me responde, o que já não é mau...
Sucessos para o blog ;)!

CR 35 disse...

Rafael!Povo! saudações para todos os seguidores do blog do Diário do Tripulante ,como sê constata o Magalhães , o e-escolinhas e o e-escolas não serviu para nada ,o povo continua enbrutecido mas tenho esperança que com a entrada dos novos autocarros já equipados com microfone que dá para transmitir tanto para o interior como para o exterior, o motorista passa a ser mais bem educado dando os bons dias ao Povo e algumas informações solicitadas e transmitidas logo para o Povo em geral através dos altifalantes para que todos sigam em segurança e sem enganos os percursos da carreira, também aos condutores que circulam nas ruas e avenidas de Lisboa tal qual um programa de rádio ,imaginem!" senhores passageiros benvindos a bordo deste veículo com destino á Gare do Oriente com passagem por Santa Apolónia ,a CCFL deseja a todos um bom dia e uma óptima viagem o motorista Rafael".Para o exterior " o senhor do carro amarelo por favor vá estacionar no recorte para tal destinado ,Obrigado pela sua colaboração,! Senhores pedestres podem passar em segurança pela passadeira que o sinal para os peões está verde."Companheiro da carreira 35 bom dia e boa viagem ". Ò fogareiro!.... podias ter ligado o pisca!Que tal! assim está melhor? desejo a todos Boas viagens a bordo dos veículos da CCFL e tenham mais um pouco de paciência.C (carreira)R(do Roger)35.

Blackbelly disse...

lol

Boa Tarde a todos então :)

Translate