terça-feira, 6 de outubro de 2009

Esmiuçado pelas bandeiras da 36 e seus passageiros

Se há dias em que o melhor é mesmo nem sair de casa, hoje era um desses dias. Começou com a confusão causada pela chuva. Já ninguém sabe andar de transportes quando chove e todos decidem levar o carro para o trabalho. As filas aumentam, os cruzamentos "entopem" e o resultado fica á vista nos atrasos por eles causados nos transportes públicos. O percurso P.Comércio - C.Sodré, mais parecia um daqueles partos difíceis e arrancado a ferros. Mas a quantidade de pessoas na paragem e as ordens da central levavam-me de novo até Odivelas.

Mas não havia cortes que resistissem. Chove em Lisboa e a cidade para. O que também parece parar nestes dias são as pessoas que fazem muitas perguntas e grande parte delas sem nexo, senão vejamos este tipo de diálogo desta manhã...


Passageira: «Desculpe, passa ali em Entrecampos não passa?»
Motorista: «Exactamente, passa na Estação e na rotunda de Entrecampos!»
Passageira: «Então e não passa no cruzamento com a Av.Forças Armadas?»
Motorista: «Sim é a rotunda de Entrecampos...»
Passageira: «Ah! Então posso sair na paragem antes dessa?»


Palavras para quê? O importante é esmiuçar o motorista, já que este termo está tanto na moda. Uns metros à frente dois acidentes complicam a passagem do autocarro mas com jeito lá se passa rumo a Odivelas. No regresso a fila para o centro da cidade começava já no C.Pequeno e ao chegar ao M.Pombal e quando levava bandeiras de "36 Rossio", pedem-me que faça transbordo para o carro de trás que ia ao C.Sodré.

Como tinha poucos passageiros (tendo em conta que era um autocarro articulado), consegui fazer o transbordo, mas não sem antes, ser uma vez mais esmiuçado por um passageiro que insistia em dizer-me que «isto assim é que não é nada! Se queria ficar aqui tinha posto M.Pombal e não Rossio, porque nós aqui somos passageiros e não os bombos da corte...» , mas eu é que queria ir só ao M.Pombal? Esta gente esta toda passada! E vá lá que ainda saiu dizendo que sabia bem que a culpa não era minha, mas que ainda assim tinha de o ouvir.

É nestas e noutras alturas que o motorista se sente uma vez mais o muro das lamentações e pensa que não teria ouvido aquilo se não estivesse ali naquele preciso momento. Volta dada ao Marquês e nova viagem para o Sr.Roubado, mas para mim seria apenas até ao Lumiar. No Saldanha, uma senhora entra e diz-me «Boa tarde, este carro não passa ao Pulido Valente, pois não? Vai só até ao Saldanha...» e lá tive de explicar uma vez mais que ia para o Sr.Roubado, via Saldanha e que passaria no hospital.

Já da parte da tarde a chuva resguardou-se e permitiu que o trânsito fosse menos intenso, mas o que não foi menos intensa foi a última viagem do dia e para o Sr.Roubado. Um pouco atrasado porque efectuei quase todas as paragens desde o Cais do Sodré, para não dizer mesmo todas e ao chegar ao Lumiar a C.C.T. pede-me que no terminal colocasse o carro na hora, entrando no C.Grande. No destino tinha ainda "36 Sr.Roubado" porque era aí que iria terminar aquela viagem.

Nas paragens iam ficando alguns passageiros que queriam o carro que ia para Odivelas, e ás 17h58 dava então por terminada a viagem no Sr.Roubado. Todos os passageiros saíram do autocarro com a excepção de um que estava na ultima fila do articulado. Ao ver o autocarro vazio, dirigiu-se até mim para também ele esmiuçar-me...

Passageiro 2: «Ó chefe, isto não ia para Odivelas!?!»
Motorista: «Não senhor. Este carro é só até ao Sr.Roubado...»
Passageiro 2: «Desculpe mas dizia lá Odivelas, se já não diz você mudo em andamento...»
Motorista: «Desculpe mas é impossível, primeiro porque teria de me levantar para mudar o destino e segundo, se reparar todos os passageiros saíram sem eu falar, só o senhor permaneceu. Será que só você é que está certo?»
Passageiro 2: «Desculpe mas isto não fica assim, porque vocês fazem o que querem e fazem de nós parvos... Vou escrever pró Carris e dizer que esse carro dizia Odivelas e não Sr.Roubado...»
Motorista: «Pode escrever o que o senhor entender, mas olhe que o engano foi seu e como vê aqui (até lhe mostrei a chapa), eu fazia 18h00 aqui no Sr.Roubado...»
Passageiro 2: «Mas você mudou... Dizia Odivelas!»

E como não vale a pena teimar com esta gente que tem sempre razão... Lá saiu, mas não sem antes apontar num papel a hora e «o número da camioneta».

Amanhã termino a semana e só espero que não me esmiuçem mais porque esta semana já chega!

Boas Viagens!
Foto gentilmente cedida por A.J.Pombo

10 comentários:

Vasco Lopes disse...

Pois esta carreira 36 é rica em episódios deste género. Depois junta-se a chuva e está o caldo entornado.
Deixa lá, amanhã será melhor, espero eu.

Abraço.

Vasco Lopes

Andre Bravo Ferreira disse...

Bolas que esta gente nunca está contente com nada!! Haviam de ter autocarros de hora a hora como aqui na Caparica para Lisboa e não piavam!
Estão é mal habituados.

Grande abraço e coragem Rafael.

CR 35 disse...

Rafael "os camionetas "quando se lhes chamam a atenção para a validação do título de transporte ficam ofendidos ou não ligam nenhuma pois aprenderam com a ralé dos bairros mas quando erram tentam esmiuçar os funcionários com afirmações sem fundamento porque ouviram um outro ignorante num dia qualquer as mesmas palavras !por aqui se vê a nata do passageiro de Lisboa e a falta de visão dos presidentes de câmara de Lisboa.Resto de bom serviço e VIVA A 35 que já se está a tornar uma carreira certificada faltando depois certificar os passageiros.Um abraço

equipier disse...

ora boas
Essa do "mudou a bandeira em andamento" é a que mais gosto de ouvir lololol
No dia 26/9 tava eu na bela da drobra num serão da 15E quando chego a Pr. Figueira atrasado, por causa do comício de encerramento do PS na antiga Fil, quando recebo a mensagem da CCT com "alt term BELEM".
Lá arranco chegando a Belem todos se levantam excepto um senhor k me pergunta se nao vai a Algés ao k eu respondo que nao. Nisto ele diz que tava la escrito Alges e nao Belem e que eu tinha mudado a bandeira pelo caminho lolololol
Até apostou comigo 20 euros e tudo lolololol

Anónimo disse...

Na minha modesta opinião, fazer transbordo é um mau serviço prestado ao cliente. Se o carro está atrasado, faz a viagem até ao destino e depois acerta-se o "passo". Ou vai reservado até acertar hora, ou vai com encurtamento. A maioria das vezes não há condições para o transbordo e quase todas se fazem já muito perto do terminal, excepto avaria ou acidente. Só o tempo que se perde a explicar às pessoas para trocarem de carro, o tempo que levam para fazer o transbordo ainda mais se tiverem locomoção difícil, faz com que fiques mais atrasado e o outro carro igualmente a perder tempo, mas enfim...

Condutor do TXXI disse...

Não concordo com a afirmação das 22:45. Se a fila não anda nem desanda mais vale terminar logo ali do que irem dois carros seguidos e mais parados que a andar. Aos de mobilidade reduzida pode custar um bocado, mas tambem não é por aí que chegam mais tarde ao destino.


Hoje na 726 foi dia de esmiuçar os borlistas. Em duas paragens foram postos 3 na rua.
O primeiro passa um passe caducado na maquina. "Oh chefe não deu sinal verde! Volte a passar na maquina até dar." (obvio que nunca daria) até que sem dizer nada o vigarista resolveu sair!

A seguir um casal de xungas entra no autocarro como se estivesse em casa. "oh casalinho os transportes pagam-se!" Nada, autocarro parado de portas abertas... nada, até que passado um minuto com todos os passageiros a olhar para eles resolveram sair.
Se os autocarros já andam cheios só com quem anda legal, para quê transportar tambem ilegais? =D

Mas ainda houve um velho do Restelo que por entre a multidão lá soltou: "esta juventude está perdida! Não têm respeito por nada! Estes é que vão ser os homens de amanha? O que vai ser deste país?"

Será que o velho não reparou que com o mau cheiro e o mau aspecto que tinham, que são dois desinseridos da sociedade? Que não servem de amostra para o resto dos "jovens"! E que os paisinhos e avós deles certamente tambem não foram homens como o que o velho referia?! Obvio que o velho percebeu isso, mas tinha que mandar o bitaite que ouve em todo o lado, mas mesmo assim acha original!
É o desenvolvimento mental da maioria dos velhos que anda nos transportes publicos a mandar postas de pescada para o ar.

Anónimo disse...

se o país está como está não temos de agradecer aos jovens de hoje mas sim aos mais velhos que o puseram como está, e que educaram os jovens de hoje.
Mas " óh " colega, não acredito que não deixe passar ninguém sem titulo de transporte, a sério?
é que se vier fazer a 106 aqui da musgueira o autocarro nunca saíria do terminal eh eh eh...

Condutor do TXXI disse...

LOL Eu não trabalho na Carris.

Eu era apenas um passageiro naquele autocarro que assisti à cena e adorei a atitude do motorista, fez-me lembrar os mais velhos que eram todos assim. Provavelmente quando aquele motorista é escalado para a 30, 729 ou 205 tem outra atitude, mas na 726 foi assim e resultou. É de aplaudir, a conversa entre os passageiros foi de sim senhor, agiu muito bem. Não pagam, não andam. Isto já é barato para todos pagarem.

Na 106 mais vale não ligar. Se eles não andam legais oficialmente não existem, logo a carreira é reduzida na frequencia e menos provavel é de se ser escalado para lá.

Abraço aos motoristas da Carris e boas viagens de preferência na companhia de passageiros decentes.

PB disse...

Tens que ter a paciência de um santinho!;)
Abraço

Anónimo disse...

caso para dizer: perdoai-lhes senhor....que eu não posso!!

Muitos parabéns por sete seu blogue!!! magnífico!!

Translate