quarta-feira, 1 de julho de 2009

Na segunda-feira, autocarros na P.Comércio viraram botes...

Muitas vezes a causa principal dos atrasos é o trânsito, porque Lisboa é cada vez mais uma cidade que motiva o uso do carro particular, ou simplesmente porque as pessoas são cada vez mais comodistas e nem tão pouco se dão ao trabalho de pelo menos um dia experimentarem deslocar-se para o trabalho de transporte público e depois dizem... «Há e tal aquilo anda sempre atrasado e sempre cheio...» Pois o andar cheio é resultado do andar atrasado e o andar atrasado é muita vez culpa de quem profere estas palavras.

Mas nem sempre o trânsito é culpado de tudo e uma simples chuvada fazendo lembrar as chuvas tropicais, até porque ao mesmo tempo que cai uma carga de água está um calor infernal, pode ser causa de atrasos, como foi no passado dia 29 de Junho, segunda-feira onde as carreiras que passam pela Praça do Comércio viram os seus autocarros e eléctricos transformados diria eu em botes, dada a quantidade de água e a velocidade mínima a que tiveram de circular.

É nestas ocasiões que também se sobressai a perícia do motorista e os cuidados - nunca demasiados - dos Guarda-freios que a todo o custo tentam fazer o melhor perante determinadas situações. A bordo da carreira 711 estava um passageiro que há uns tempos criou um fórum de discussão sobre transportes, nomeadamente sobre os Transportes Colectivos do Barreiro, mas onde são abordadas outras empresas e outros sectores do transporte público.

Também ele surpreendido, digo eu, com a elevada quantidade de água, decidiu gravar cerca de 10 minutos do panorama no local, tempo que certamente não foi suficiente entre o actual terminal da carreira 711 na P.Comércio e a Rua da Prata. Com a devida autorização aqui vos deixo o vídeo em questão e um cumprimento ao colega da 711 que conseguiu sair do local em grande estilo e depois de algumas manobras.



Certamente que nas paragens seguintes lá teve de ouvir que o autocarro estaria "atrasado" e que era "sempre a mesma coisa", mas quando as pessoas não sabem o que poderá ter acontecido o melhor mesmo é não dar ouvidos para evitar discursos mais acesos.

Boas Viagens!

5 comentários:

||_MiX_|| disse...

Parece uma foto dos anos 50/60, acho que na semana passada aqui puseste do Rossio inundado.

Grande abraço.

André Bravo Ferreira

Marco Valente disse...

Olá,

Foi uma chuva que durou uns 20 minutos, o motorista em questão q esta a conduzir atravessou a rua da prata, e como vêem ele esta todo encharcado, para poder vir render o colega q esta ao lado. Os eléctricos em si, pararam no meio da estrada, sem quaisquer pensamento se esta a prejudicar o transito a tras. A situação entre autocarros, foi rápida, sem muito tempo de espera nesta zona da Praça do Comercio/Terreiro do Paço. Já no ano passado, na carreira 794 depois de Xabregas, num O405 ate entrava agua pelas portas. De facto, filmei/editei este video, mesmo surpreendido de ver tanta agua, num curto de tão pouco tempo.

Busorganist disse...

Foi um belo vídeo e uma bela manobra. Parabéns ao Marco pela captação, ao motorista pela manobra e ao Rafael por postar isto aqui. Obrigado!

equipier disse...

Ora boas.
Amigo Marco Valente eu sou guarda-freio e posso lhe explicar o pk de os electricos terem parado no meio da estrada!!
Quando o nivel da agua sobe muito, como era o caso, os electricos, em especial os articulados, têm de ser imediatamente parados e desligados pois correm o serio risco de entrar agua para os motores e pior ainda de isolarem e provocarem descargas electricas para a agua. se reparar no seu excelente video o articulado encontra-se com o pantografo em baixo logo desconectado da corrente electrica.
Abraço

Blackbelly disse...

Mas supostamente as obras não deveriam ter solucionado esse problema? Falo pela parte que me toca da passagem na Avenida Ribeira das Naus, junto ao torreão poente, o que esteve em obras. Aí notei que os carros passavam um de cada vez pela poça, não fosse dar-se o caso de terem de lá parar, coisa que com água pelo tubo de escape não é recomendável!

Translate