sexta-feira, 17 de julho de 2009

Na 35 a caminho das férias e a imaginar o passado com quem o viveu...

Todas as sextas-feiras são iguais no que ao trânsito diz respeito, até mesmo quando se está em época de férias. Terminei em grande a semana, na minha carreira preferida (35), e antes de pegar ao serviço, ainda passei pela Praça da Figueira porque ontem tinha ficado com algumas questões por fazer sobre os autocarros novos. Havia mais público na P.Figueira do que no C.Pequeno, talvez porque a presença do 109 tenha chamado muita gente ao local que aproveitou para relembrar velhos tempos.

E nem de propósito... Enquanto conversava com o inspector presente no local, sobre o novo autocarro, surge um senhor que de imediato nos interrompe com toda a delicadeza e nos diz que «fui colega, mas já estou reformado. Saí da Carris há 3 anos e dei entrada em 1972 na estação das Amoreiras, que não é do tempo deste jovem (este jovem era eu...), depois fui para Cabo Ruivo e recentemente estava na Musgueira...», dizia-nos com um orgulho idêntico ao do Eusébio quando fala no Benfica. É bom sinal, pois foram 34 anos a vestir a mesma "camisola", que hoje nós representamos.

«Hoje estou reformado e passei por aqui para ver os novos autocarros. Pena tenho que já não os possa conduzir», lamentava o ex-colega. Conversa para aqui, conversa para ali, já a certa altura recordava os tempos em que trabalhou como efectivo na carreira 37, precisamente com o carro 109, que como fez questão de dizer «era laranja e aquelas mudanças de cintas rebentavam-nos todos... Andei muito naquele carro e até me estou a arrepiar das viagens que nele fiz...»

Emoções à parte, a hora passou num ápice e aproveitei a boleia do 18E até ao C.Sodré onde iria iniciar o meu serviço. A primeira parte correu, como se costuma dizer, ás mil maravilhas. Uma ida à P.Chile, o regresso ao C.Sodré e uma ida ao Hospital de Santa Maria. Na volta ao C.Sodré tive a pausa para almoço. Decidi então deslocar-me até á estação de Santo Amaro, já que não dava tempo de ir a casa almoçar.
Na 2.ª parte do serviço, apenas viagens para Hosp.Santa Maria! Confesso que prefiro as da P.Chile, mas adiante... Viagem para Santa Maria e o aproximar da hora de ponta fazia chegar mais passageiros, todos eles com pressa de chegar a casa mais cedo para desfrutarem de mais umas horas de fim-de-semana ou até mesmo de férias como é o meu caso hoje. Numa das viagens para o C.Sodré, surge uma passageira de mobilidade reduzida, e creio que foi a 3.ª vez que utilizei a rampa de acesso a cadeiras de rodas.

E se á entrada tudo correu bem, já na saída, teria de ficar com uma marca na mão, após um ligeiro corte ao abrir a rampa. Nada de grave! A simpatia da passageira que agradeceu e desejou «um bom fim-de-semana para si e para os seus», até fazia esquecer o golpe. E aqui aproveito para dar elogios ás novas rampas automáticas que evitam estes contratempos e que são bastante mais rápidas e fáceis de utilizar, como tive ocasião de ver pela manhã.

Ao chegar ao Cais do Sodré tinha já pela frente a última viagem para o Hospital de Santa Maria e parece que é sempre na última que se demora mais tempo. Ou porque o sinal demora mais tempo a passar para o verde, ou porque grande parte dos passageiros aparece para comprar tarifa de bordo, fazendo lembrar as segundas-feiras dos cinemas em que todos acorrem por ser mais barato, pois na ultima viagem parece que muitos não têem passe nem "VivaViagem" ou "7colinas"... Ou é porque alguém na paragem pede para esperar um minuto porque ao fundo vem gente a correr e que afinal até vai para o comboio e não para o autocarro. E claro está porque ás vezes é os idosos que se lembram todos de sair e andar de autocarro naquela hora. Ou seja, tudo parece correr contra nós naquela hora crítica do dia em que já só se pensa no que vai ser o jantar...

A questão é que antes de se pensar no jantar ainda tem que se ver a que horas se vai chegar a casa para jantar. Porque hoje um imprevisto - ou talvez não, dada a frequência - fez recolher o 17, após uma pedrada num dos vidros do autocarro, na paragem antes da Estação da Musgueira. E o frustrante no meio disto tudo é eu recolher á estação, com a sensação de missão cumprida em mais um dia de trabalho, o último da semana e o último antes das merecidas férias que na 3.ªfeira começam, correr para a paragem porque o 17 estaria a chegar e vê-lo passar a barreira da entrada da estação, com bandeiras de "Reservado", vidro partido e a Policia atrás para tratar da ocorrência...


Resultado: Jantar ás 22h00 :) Bem, tirando este imprevisto, o bom é que só volto a sentar-me nesta cadeira(foto ao lado) a 5 de Agosto, pelo que até lá vou gozar as minhas férias de verão. Para mim, os autocarros agora recolheram á Musgueira e só os utilizarei como passageiro. Quanto ao blog, por enquanto não vai de férias e se for, aqui deixarei o aviso.

A quem vai de férias como eu: Boas Férias, a quem tem apenas o Fim-de-semana: Bom fim-de-semana e a todos Boas Viagens!

4 comentários:

Busorganist disse...

São uns que sentem saudades por partir, são outros que rezam e pedem a todos os santinhos para que num futuro próximo entrem para a Carris..

Umas óptimas férias Rafael!

Abraço, Busorganist

Vasco Lopes disse...

Amigo, resta-me então desejar-te umas boas férias!

Abraço.

Vasco Lopes

nuno disse...

boas ferias caro colega.

so espero que estes carros novos nao fiquem todos marcadinhos com a fina flor que mora na "Alta de Lisboa" abraço

||_MiX_|| disse...

Boas férias Rafael. A última vez que andei foi contigo :-D

Grande abraço.

André Bravo Ferreira

Translate