domingo, 14 de junho de 2009

«Ié ié iééééé.... o Beato é que é!!»

Depois de uma manhã na 718, um serviço ocasional da parte da tarde num domingo que começou chuvoso mas que rapidamente aqueceu convidando as pessoas a saírem à rua e foi isso mesmo que fez a marcha do Beato, esta tarde, tendo para o efeito requisitado um Autocarro à Carris em Serviço Ocasional(Foto 1), e calhou-me a mim percorrer com eles a freguesia do Beato.



E como este foi dos serviços mais engraçados que tive até hoje, apesar da minha retinência inicial, decido destacá-lo também como forma de agradecimento aos marchantes, aos organizadores e ao Sr. Presidente da Junta pela forma como fui recebido. Ah e aproveitei para lhe pedir, ainda que em tom de brincadeira, um novo espelho para o cruzamento da Calçada do Grilo... Ajudava-nos imenso!


Mas voltando ao que interessa contar, destacar a forma como os marchantes actuaram perante a sua população. Com garra e determinação, já depois de terem ficado em 8.º lugar na classificação deste ano. Mereciam realmente uma melhor posição na tabela! Com partida do clube Ateneu da Madre Deus(foto 2), (onde mostraram de imediato satisfação por ser um autocarro da Carris... «Ena este é dos novos... Sempre é mais porreiro que o outro e até tem ar condicionado», dizia um dos marchantes), dirigimos-nos então para o primeiro local onde os marchantes fariam marcação - O início da Calçada da Picheleira (foto 3).





Muitos apoiantes à espera em redor dos passeios e nas portas dos estabelecimentos, e até parecia que era uma equipa de futebol que ali ia passar. Ao fundo já se ouviam gritos de incentivo e claro está não podia faltar o «ié ié iéeeee, Beato é que é»...


A polícia ainda não tinha chegado ao local e ao que parece houve uma certa falta de comunicação entre entidades, até porque quando chegaram ao local, os agentes de imediato identificaram os organizadores, por estes terem incentivado ao fecho da rua sem a presença das autoridades. Gerou-se uma pequena confusão, rapidamente sanada com a chegada do corpo de intervenção que auxiliou no corte da estrada, numa altura em que já alguém mais descontente ou de uma marcha rival, tinha lançado da sua janela um Limão...

A chuva também marcou presença, mas como alguém disse no local, «marcha molhada, marcha abençoada», e certo é que foi por pouco tempo. Marcação feita, aplausos recebidos e nova viagem, desta feita até à Estrada de Chelas(foto 4), junto à Farmácia, que foi o local que juntou mais populares para ver a marcha actuar. Palavras de apoio, algumas de revolta pela classificação obtida, e muitas fotografias pelo meio e já com a companhia da PSP que acabou por andar connosco durante toda a tarde.

A próxima paragem foi junto ao Teatro Ibérico, em Xabregas (foto 5) onde o aproximar do carro da PSP que ia a abrir caminho e sobretudo a chegada do autocarro com os marchantes, fez "aquecer" os presentes no local com mais gritos de apoio a uma marcha que evocou os descobrimentos. Daí, partimos para o convento do Beato onde teve lugar mais uma actuação (foto 6).


Rumámos então de seguida para o Bairro Madre Deus, onde me pediram que os levasse para a rua Faustino José Rodrigues (foto 7), mas por se tratar de uma rua estreita e sem saber se havia condições para lá meter o autocarro, a PSP foi primeiro ver o local e como não havia carros mal estacionados lá seguimos para uma rua onde todos os habitantes ficaram contentes por lá ver um autocarro da Carris... «Finalmente já temos autocarro à porta...», pois tiveram, mas só ocasionalmente e para a Marcha do Beato.


O cortejo terminou já no recinto desportivo do Bairro da Madre Deus, com as bancadas bem compostas. Fui então dispensado pelo membro da organização, o Dino que simpaticamente me foi dando indicações dos locais onde pretendiam ir. E se todos os serviços fossem como este... era uma maravilha! Amanhã há mais, mas em serviço de carreira regular:)


E como vêem ás vezes até sabe bem fazer um serviço diferente do habitual, nem que seja para quebrar a rotina do dia-a-dia...

Boas viagens!

6 comentários:

Pedro Almeida disse...

Embora o blog do senhor do blog lol, já faça praticamente parte do meu dia-a-dia, a verdade é que tenho tentado não andar sempre a comentar, MAS, esta onda de "festarola" mexeu comigo!!
Por incrível que pareça, já moro em Lisboa á quase 5 anos, e nunca fui a essas festas, e á famosa noite de Santo António, mas gostei de ver o OLHAR DO TRIPULANTE, sobre este dia fora do comum...
A única crítica que faço é ter sido um B7R LE e não um OC500!
Eu tinha que criticar alguma coisa, e olha, "sobrou" para a Volvo, acontece ehehe
Gostei deste post amigo, sim senhor!!

Grande abraço do madeirense!! E... Boas Viagens!!

Anónimo disse...

Eu aposto que o rafael gostou mais q fosse o volvo, assim ficou menos cansado e tambem mas descansado porque é muito mais facil de conduzir que o oc 500, certo? fica bem
colega musgueira

Duende disse...

:D:D:D:D:D

||_MiX_|| disse...

Um dia fora do normal, muito bem Rafael. A fazer parte das tradições lisboetas :-D

Grande abraço.

André Bravo Ferreira

APS disse...

Caro Rafael Santos

É um privilégio ter transportado a marcha da minha freguesia.

Gostei muito da reportagem, que deu para recordar os sítios com saudade.

Em 1956 encontrei-me numa situação identica com a polícia. A "nossa marcha" não estava autorizada e tivemos que apagar os balões e ir tudo para casa calado. Outros tempos...outra gente!
Um abraço
APS

ritinha disse...

BOAS RAFAEL
Lmbro-me perfeitamente de si.
o muito obrigado pla reportagem.brutal aproveito e digo-lhe ja k nesse ano hoje um erro e que afinal ficamos em terceiro lugar.. e nao em oitavo como se chegou a anunciar.. beijos rita marcha do beato

Translate