quinta-feira, 19 de março de 2009

"Antes e Agora": São Tomé - Alfama

Para tornar este blogue mais apelativo sobretudo para aqueles que gostam da temática relacionada com os transportes urbanos nas grandes cidades, sobretudo na cidade de Lisboa, inicio aqui hoje uma nova rubrica que à semelhança da anterior "Sugestão do Tripulante", não é uma referência permanente no blogue, mas sim, sempre que eu tenha tempo para o fazer. A ideia desta rubrica passa sobretudo por comparar o passado com o presente através da imagem.

Começo hoje por partilhar uma imagem de muitas que tenho, no meu "arquivo histórico", que ao longo dos tempos fui recolhendo nas várias pesquisas que vou fazendo por esse mundo que se chama Internet. Esta foto de 1979 (apresentada em cima) é da autoria do sueco Olle S. Nevenius que esteve de visita a Lisboa nesse ano.


Na imagem é possível ver um táxi da época e o eléctrico 490 a fazer a carreira 11 que fazia circulação da Graça (via Anjos), com os então chamados «Caixotes», no Largo de São Tomé, onde esta tarde presenciei uma interrupção devido à acção da PSP junto de um grupo de Carteiristas que tinham assaltado um turista inglês no Largo Portas do Sol.

Como estava de passagem, peguei no telemóvel e registei o momento da detenção. É certo que esta é uma situação pontual, mas escolhi estas duas imagens para estrear esta rubrica, para que possam ver as diferenças ocorridas em 30 anos.

Na altura ainda eram os «caixotes» que circulavam nesta linha e não era necessário este tipo de acções por parte das autoridades, porque apesar de ser uma época pós 25 de Abril onde a Liberdade já se fazia sentir há 5 anos, não havia os grupos organizados de carteiristas que hoje causam imensas dores de cabeça não só aos turistas mas também ás próprias autoridades.

A segunda imagem refere-se ao momento da detenção do grupo romeno, que fez juntar mais de 10 eléctricos nos dois sentidos, prejudicando assim, gravemente o serviço na carreira 28 que actualmente liga os Prazeres ao M.Moniz (temporariamente até à Graça, onde é feito transbordo para um autocarro que continua até ao M.Moniz, devido a obras).

Esta primeira rubrica calhou mostrar uma situação que se vê cada vez mais nos dias que correm, mas espero que numa próxima oportunidade, vos mostre uma foto bem mais agradável de uma Lisboa onde ainda assim continuo a gostar muito de viver.

Amanhã começo uma nova semana e se nada de especial ocorrer, poderá surgir mais uma referência temporal da cidade através das imagens.
Boas Viagens!

1 comentário:

Vasco Lopes disse...

De facto, a carreira 28 dos eléctricos é a mais problemática ao nível dos furtos. Aliás, sempre foi. É das carreiras onde mais viajo e sempre me recordo de ver carteiristas atrás dos estrangeiros. Como se não bastasse a quantidade de portugueses que lá andavam a roubar, nos últimos tempos também romenos e moldavos lhes têm feito concorrência.
Ainda há bem pouco tempo vi na paragem do Cais do Sodré, nada mais, nada menos, do que 14 carteiristas, todos de nacionalidade romena/moldava.
Tal como o Rafael, também eu já presenciei algumas detenções, mas infelizmente não têm sido suficientes, pois eles lá continuam diariamente.

Translate