quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

793 - uma carreira de espíritos?!...

Ás vezes dou comigo a pensar se será só comigo que as coisas acontecem, mas ao conversar com outros colegas, logo fico esclarecido, porque todos têm algo para contar e de facto nesta profissão todos os dias são diferentes e todos já assistiram ou passaram por diversas situações.

Para além das muitas aventuras que já contei por aqui, há também por vezes o lado social. Aquele em que o motorista é o ouvido mais próximo de quem não tem ninguém para desabafar ou apenas conversar. E ás vezes por muito que se tente que o passageiro se vá sentar, ele insiste em ficar ali na frente a falar...

Hoje terminei a semana na 793 e confesso que ainda não consigo gostar desta carreira! Mas isso não interessa para nada. O que interessa mesmo é destacar a conversa a que fui obrigado a ouvir logo na segunda viagem. Um passageiro entra no Bairro Madre Deus com destino à Estação Roma-Areeiro e senta-se no primeiro lugar da frente.

Até aqui tudo bem, a não ser a gritaria que os miúdos faziam lá atrás que tinham acabado de sair da escola. Já ali no bairro das salgadas, o mesmo senhor tenta meter conversa comigo, dizendo que «esta manhã choveu bem! Viu? Estive 30 minutos á espera do 30 para Picoas, porque tinha um exame a fazer no hospital, e fiquei todo encharcado»...

Como não gosto de desprezar as pessoas que não me faltam ao respeito, lá confirmei que de facto tinha chovido bem. Mas o senhor insistia em contar como tinha sido o seu dia. «Sabe tinha muitos esporos no intestino grosso e tive de fazer uma limpeza. Mas correu tudo bem...» Ao que respondi: «Se correu tudo bem, é o que interessa...» Mas insatisfeito talvez com as minhas respostas curtas e directas, fez questão de pormenorizar o exame, algo que eu dispensava... «Sim correu bem... Enfiaram-me um tubo pelo ânus com umas ventosas para agarrar os esporos. Até parecia que estava num filme e até foi rápido...»

E a minha sorte foi que entrou uma outra passageira já ali no Feira Nova da Bela Vista que o conhecia, tendo então ficado à conversa com a senhora, deixando-me assim mais descansado a desempenhar as minhas funções. Digam-me lá se isto são conversas para se ter com o motorista? Realmente aparece-nos de tudo um pouco...

Para não bastar, já depois das 16h00, ainda houve uma passageira que saiu no bairro dos alfinetes e ao passar pela porta da frente lá me disse que iam espíritos dentro do autocarro. Acredite se quiser!

E como não há uma sem duas nem duas sem três, foi precisamente neste bairro que uma outra passageira, já conhecida ali do bairro Prodac, me disse que num dos buracos do asfalto que por lá se encontra, tinha falecido há um ano atrás um rapaz que passava de mota junto á escola básica 2,3 de Marvila.

«Andava sempre a avisar os amigos para terem cuidado com aquele buraco e afinal foi ele que lá morreu. Teve o acidente e morreu logo e o que mais confusão me fazia, ao ponto de deixar de apanhar o autocarro para não passar por lá, é que nos primeiros dias punham lá muitas flores e pratos com comida! E eram sempre dois pratos por dia, umas vezes era massa outras, arroz... mas que coisa mais esquisita!», contou-me.
O buraco esse voltou a aparecer e para que não se repitam acidentes como esse que causou a morte do motard,(link encontrado depois de uma pesquisa por curiosidade) sugiro ás entidades competentes que se preocupassem um pouco mais com o estado do asfalto da cidade.
Completamente surreal esta carreira. Bem dita seja a folga que o regresso é já no sábado numa carreira perto de si!
Boas viagens!

6 comentários:

Pedro Almeida disse...

Foi realmente um dia puxadíssimo...
Acompanhei-te nas viagens praticamente todas como bem sabes, e realmente foi impressionante a sucessão de episódios caricatos que apanhamos pelo caminho,e dignos de um filme, como disse esse passageiro que entrou antes de eu chegar (embora neste caso, filmes com dignidade e "limpeza")...
Caricato foi a associação dos diferentes factos, e sem qualquer tipo de ligação aparente, mas muito próximos, ou seja, tirei-te essa foto entre o local onde o senhor morreu, e onde a cigana ao sair disse que haviam espiritos dentro do autocarro, sendo que 1º tirei a foto, na viagem seguinte ela apareceu e disse aquilo dos espiritos, e depois na outra viagem entrou a senhora a contar aquela história... Enfim, isto contado até custa a acreditar, mas realmente (coisas da vida)....


Grande abraço do madeirense pá!! E não me convides mais a aparecer na 793, está bem??
LOOL Estou a gozar pá!! É uma carreira interessante, só "peca" por não estar muito bem estruturada em termos de trajecto, mas pronto...

Anónimo disse...

cá para mim o velhote estava a ver se conseguia meter-te a vomitar, se não aparecesse a outra senhora ias ver o resto dos pormenores :-) marques.

Carlos Correia disse...

Exames aos intestinos à parte, ontem até estive para dar um salto à carreira 793, onde nunca tive problemas de maior. Ao contrário do Rafael, até é uma carreira de que consigo gostar. Mas lá está, eu sou apenas um passageiro.
Seja como for, acabei por ir na carreira 10, na qual também gosto de viajar. Embora gostasse mais quando era com carros a diesel...

Cumprimentos

Carlos Correia
element@netcabo.pt

Vasco Lopes disse...

À 793 já não vou, seguramente, há quase 2 anos e confesso que não tenho saudades.
Fui dar uma volta na 49 que esta segunda-feira sofreu uma pequena alteração com o desvio à R. do Armandinho.
Depois, também acabei por apanhar a carreira 10 com destino ao Chile. A meio da viagem entraram dezenas de miúdos, vindos da escola, que rapidamente transformaram o autocarro num campo de batalha, mas também já estou habituado...

Carla Silva e Cunha disse...

interessante

Anónimo disse...

A Carreira nº 793 (Est. Roma-Areeiro - Marvila) foi banida do grupo de certificação devido a irregularidades!

Translate