quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

1.º dia do ano e a primeira prenda de 2009...

A festa já lá vai, mas para muitos ainda estava na hora da ressaca, quando saí de casa em direcção ao Lumiar, onde rendi neste primeiro dia de 2009. Serviço aparentemente calmo, mas que acabou por ser agitado. Os carros são como as pessoas e tão depressa estão bem como de repente ficam mal. O colega que rendi alertou-me para uma avaria ao chegar á rendição, desliguei o carro para ver se estabilizava, mas como tal não aconteceu, terminei a viagem e informei a C.C.Tráfego da ocorrência que me solicitou que trocasse de autocarro na Estação da Musgueira e assim foi.

De regresso e já com um outro autocarro, lá fiz umas viagens entre a P.Chile e o Sr.Roubado na primeira parte do serviço, onde muita gente me voltou a desejar um bom ano, talvez a mesma quantidade dos que nem boa tarde disseram, dando assim um empate técnico. (risos)

Da parte da manhã até foi calmo, já a tarde nem por isso. E que tal uma molha antes de pegar na segunda parte do serviço. Causa: Motorista desatento da RL Azul que passou "a abrir" no Lumiar por cima de uma poça de água, dando um valente banho a mim e ao colega que comigo aguardava rendição.

Após o almoço, nem a forte chuva foi impeditiva para deixar em casa aqueles que escolheram a 7 para dar a primeira volta de 2009. Ouvi alguns desabafos, entre os quais o de uma senhora, que entrou na P.Chile. «Boa tarde Sr.Motorista e um bom ano. Veja lá que vim para comer uma sopinha ao Chile, mas tinha tanto sal que nem a consegui comer...» e sentou-se.

A meio da viagem volta a falar e desta feita com a passageira do lado. Disse-lhe: «Para mim este dia (1 de Janeiro) é como os outros. Nunca passei natal nem passagem de ano com irmãos, tios, avós, filhos porque não tenho ninguém, mas o que desejo é paz para todos.» Do seu lado não obteve resposta, mas imediatamente a seguir, em frente a si, uma outra senhora também em situação idêntica, decide trocar umas palavras amigas com esta e diz-lhe que também está só e que decidiu ir dar uma volta de autocarro para se distrair...
E digo-vos. Esta carreira é um bom exemplo de uma amostra de uma parte da população de Lisboa que vive na solidão.

Mais á frente, no Campo Grande entram mais quatro idosos que alegremente dão as boas tardes e desejam um bom ano. Sentam-se mas um deles, o único senhor, levanta-se na paragem seguinte e dirige-se a mim perguntando se já havia recebido alguma prenda neste ano 2009. Digo-lhe que não até porque o ano ainda não tinha sequer chegado ás primeiras 24 horas.

«Calculei e aqui tem uma prenda para si. A sua primeira prenda de 2009. É um relógio», disse o senhor. Ao início pensei que estivesse a brincar, mas de imediato vi que estava convicto do que estava a dizer e a fazer. «Hoje já é o 5.º motorista a quem ofereço um relógio...» Agradeço-lhe a oferta e ele diz que não tenho de agradecer e acrescenta: «Nunca ninguém se lembra dos senhores, mas eu lembrei-me que vocês precisam de um relógio todos os dias e como gosto de oferecer aqui o tem e um bom ano...»

Fiquei sem resposta e desejei-lhe muita saúde para 2009. Foi a primeira prenda de 2009 e a primeira que recebi nos quase dois anos de Carris. E aqui vos deixo a foto da lembrança que recebi deste senhor, tirada junto de um dos anúncios da campanha sensorial da Carris. Amanhã termino a semana na 106 e depois venha a folga...

5 comentários:

Nuno ColtSeavers disse...

Boa noite

Enquanto estavas tu a festejar 2009 por ai..eu estava no 1837 na 203 e era o unico passageiro, ali para as bandas de Campolide:)


Bom ano 2009!

Abraços

Nuno Colt

Carlos Correia disse...

Gosto bastante da carreira 7. Embora gostasse mais quando ia ao Cais do Sodré...
Quanto ao relógio, foi um gesto bonito e inesperado. Esperemos que funcione por muitos e bons anos.

Cumprimentos

Carlos Correia
element@netcabo.pt

Vasco Lopes disse...

Epá, Rafael, esse relógio é bonitinho!!! Também quero. Amanhã vou já para a carreira 7 a ver se encontro esse senhor.
Por falar em relógios, tinha um amigo cujo pai era inspector em Miraflores e que sabia da minha paixão pela Carris. Um belo dia apareceu na minha escola para ir buscar o filho (na altura ainda andava eu na escola secundária) e ofereceu-me um relógio que a Carris oferecia aos trabalhadores que completassem 25 anos de empresa. Ainda hoje o guardo religiosamente. É sempre um bonito presente para oferecer. Portanto já sabes, podes mandá-lo pelo correio.

Rui Sousa disse...

Olá.

Tenho sido um leitor atento deste blog. É muito interessante ler "estórias" da cidade de Lisboa escritas por alguém que vive a cidade de muito perto, num serviço essencial a todos.

Eu actualmente não utilizo muito os autocarros da Carris. Desloco-me mais de metro, mas especialmente de bicicleta.

Moro no Lumiar (Alta de Lisboa) e trabalho na Av. da Liberdade, pelo que no meu percurso de cruzo com muitos motoristas da Carris.

Por isso aproveito este espaço para agradecer vos agradecer colectivamente o cuidado e a simpatia que têm por quem anda de bicicleta. Não sei se têm alguma formação para tal ou se são sensibilizados pelos muitos colegas também ciclistas, mas a verdade é que gostava que todos os condutores fossem como os motoristas das Carris.

Eu tento retribuir, quer de bicicleta quer quando ando de carro, pois "pilotar" um bicho do tamanho de um amarelo pelas ruas de Lisboa não deve ser nada fácil.

Muito obrigado e um bom 2009!

Rui Sousa

Rafael Santos disse...

A todos obrigado pelos desejos para 2009. Quanto a si, Rui Sousa, deixe-me que lhe diga que não há nenhuma formação específica para tal, mas apenas a de efectuar uma condução defensiva, sobretudo numa cidade como Lisboa onde há cada vez menos civismo.

Um abraço

Translate